ciberneticaciborgueShannonWiener

Aula 1: Tecnologia, Comunicação e Sociedade

TEXTOS COMPLEMENTARES

ALMEIDA, Mauro W. B. de. Simetria e entropia: sobre a noção de estrutura de Lévi-Strauss. Rev. Antropol. [online]. 1999, vol.42, n.1-2 [cited  2015-12-08], pp. 163-197

BARBROOK, Richard. Futuros Imaginários. São Paulo: Peirópolis, 2009

BUCHER, Taina. ‘Machines don’t have instincts’: Articulating the computational in journalism, New Media & Society. Volume: 19 issue: 6,  918-933, 2016

CARIBÉ, João Carlos R. Apontamentos epistemológico-histórico: O pensamento soviético – Das definiçõess de informação, ciência da informação e conhecimento. IBICT, UFRJ, maio de 2017

CASTRO, Bárbara. Revisitando o ciborgue: desafios teóricos e metodológicos da pesquisa em gênero e tecnologia. Revista Communicare – Dossiê Feminismo. Volume 14 – Nº 1 – 1º Semestre de 2014

FEATHERSTONE, M. e Burrows, R. “Cultures of Technological Embodiment”. Introduction. Em Cyberspace/Cyberbodies/ Cyberpunks. Cultures of Technological Embodiment, M. Featherstone e R. Burrows (eds.). London: Sage, 1996, p. 1-15.
GEROVICH, Slava.The cybernetics scare and the origins of the internet Published in the printed edition of Baltic Worlds page 32-38, vol II:1, 2009

GILLESPIE, Tarleton. Engineering a Principle: ‘End-to-End’ in the Design of the Internet. Social Studies of Science 36/3(June 2006) 427-457

GIRARDI Jr. Liráucio. (Resenha) Gadget: você não é um aplicativo. Communicare. vol. 10 n.2, 2º.sem.2010

HARAWAY, Donna. Manifesto Ciborgue. In: Antropologia do Ciborgue. / organização e tradução Tomaz Tadeu – 2. ed. – Belo Horizonte : Autêntica Editora, 2009.

HAYLES, N. Katharine. Unfinished Work From Cyborg to Cognisphere. Theory, Culture & Society2006 (SAGE, London, Thousand Oaks and New Delhi),Vol. 23(7–8): 159–166

HOUDART, Sophie. Humanos e Não Humanos na Antropologia ILHA v. 17, n. 2, p. 13-29, ago./dez. 2015 pp. 11-29

LAFONTAINE, Céline. O império cibernético.Lisboa:Instituto Piaget, 2007 cap. 1

LANIER, Jaron. Você não é um aplicativo. São Paulo: Saraiva, 2010 (Minha resenha do livro: Revista Communicare vo. 10 ed. 2 2º semestre 2010 pp. 179- 184)

LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: editora 34, 1999. (Cap I pp. 21-30)

MARTIN, Irvine. Technology: An intoduction to theory and concepts 

_____________. Technology / Theory / Culture: Technology as a Technical-Social System

OLIVEIRA, R.M. Tecnologia e subjetivação: a questão da agência Psicologia & Sociedade; 17 (1): 17-28; jan/abr.2005

REGIS, Fátima. Ciborgue, comunicação e sistemas complexos: uma alternativa à tese da desmaterialização. e-compós 2007

RÜDIGER, Francisco. “Discussão sobre o pós-humano: fantasia e desmistificação.” In: Cibercultura e Pós-humanismo. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2008

SALGADO, Thiago. O fim do virtual: os métodos digitais. Juiz de Fora. Lumina.  Vol.10 • nº 3 dezembro 2016

SANTOS, Laymmert Garcia dos . Politizar as novas tecnologias. São Paulo: Ed.34 2.ed, 2011 cap. 17

SERRA, J. Paulo. Manual de Teorias da Comunicação. Universidade da Beira Interior, 2007 (Labcom)  (acessado em 12/02/2015) –  Capítulo 6: A concepção cibernética da comunicação

SIEGERT, Bernhard.  Cultural Techniques: grids, filters, doors, and other articulations of real. New York: Fordham University Press, 2015 pp. 192-205 (cap.10 – D o o r  L o g i c , o r , t h e M a t e r i a l i t y  of the Symbolic – From Cultural Techniques to Cybernetic Machines.)

SIMONDON, Gilbert. Introdução. Tradução de Du mode d’existence des objets techniques (Gilbert Simondon, Paris: Aubier-Montaigne, 2008 [1958])

WEISER, Mark. The Computer for the 21st Century

WAJCMAN, Judy . Feminist theories of technology. Cambridge Journal of Economics 2009, 1 of 10

WARDRIP-FRUIN, Noa. MONTFORT, Nick. THE NEW MEDIA READER. Cambridge/MA, MIT Press, 2003

WIENER, Norbert. Cibernética e sociedade: o uso humano dos seres humanos. 2.ed. São Paulo : Cultrix, 1968


REPORTAGENS
A Nascent Robotics Culture:New Complicities for Companionship -Sherry Turkle

 Aula do Laymert (02/03/11) – Simondon – CTeMe – 02/03/2011

Afrofuturism for Beginners: A Review of “Afrofuturism” by Ytasha Womack – By Ravynn Stringfield – Hastac – on November 26, 2017

What Synthetic Biology Has in Common With Queer Theory – Deciding what organisms (and people!) are “related” to each other is more complicated than it seems. – By Sophia Roosth – Slate, 25/04/2017

 Understanding Meta-MediaLev Manovich (C.Theory.net) – sobre Alan Kay

PALEOFUTURE – GIZMODO

Time Magazine Staff. 1965. “The Cybernated Generation.” Time. April 1965.

Post do facebook (Bel Pesce)05/10/2015; Minas, estamos a caminho! Começa agora o Tour da Bel 2015, uma parceria top com o @ielbr Últimas vagas gratuitas para BH pelo sitewww.tourdabel.com.br. Vejo os mais de 2000 inscritos em breve‪#‎TourDaBel‬ ‪#‎MeuCodigoAberto‬ ‪#‎MinhaMelhorVersao‬

Livro: A sua melhor versão te leva além. Autora: Bel Pesce

Intelligence is Never ‘Artificial’-  jennydavis on August 3, 2015

Facebook abre o Messenger para botsFernando Paiva. Mobile Time, 12/04/2016

Tools for Thought by Howard Rheingold

When Robots Hallucinate – Adrienne Lafrance
What do Google’s trippy neural network-generated images tell us about the human mind?
Hamlet- Máquina – Heiner Muller
The Labor of the Inhuman, Part I: HumanReza Negarestani. E-flux n.52, 02/2014
The essential cyberpunk reading list – Diana Biller – io9

FILMES/PALESTRAS 
         


The essential cyberpunk reading list – Diana Biller – io9


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *