ciberculturacultura de redecultura livrecyberpunkética hackertransparência

Aula 2: Cultura de Rede, Ética Hacker e Jornalismo

TEXTOS COMPLEMENTARES

BARBROOK, Richard, CAMERON, Andy. The Internet Revolution. Network Notebooks Series – 10 Amsterdam: Institute of Network Culture, ocotober 2015

CASTELLS, Manuel. A Galáxia de Gutemberg. Rio de Janeiro: Zahar, 2003. Cap.2 – A cultura da internet. /

COLEMAN, Gabriella; GOLUB, Alex. Hacker practice: Moral genres and the cultural articulation of liberalism. Anthropological Theory 2008; 8; 255-277.

CORREA, Denize. Estudos sobre Comunicação e Cibercultura no Brasil: Conceitos, Tendências e Clusters. Razon Y Palabra n. 53 octubre -noviembre, 2006

DOURISH, Paul. THE CULTURE OF INFORMATION:Ubiquitous Computing andRepresentations of Reality

FELINTO, Erick. ‘Sem mapas para esses territórios’: a cibercultura como campo de conhecimento. Intercom–Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação-XXX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação–Santos- 29 de agosto a 2de setembro de 2007

_______________. Cibercultura: ascensão e declínio de uma palavra quase mágica. E-compós: Brasília, v. 14 n. 1, jan./abr. 2011

_______________. Em busca do tempo perdido. O sequestro da história na cibercultura e os desafios da teoria da mídia. Matrizes Ano 4 – n. 2 jan./jun. 2011 – p. 43-55

FOLETTO, Leonardo F. “Hackear” o Jornalismo: pistas para entender o jornalismo no século XXI. Leituras do Jornalismo. Ano 1 n.2, 2014 pp. 67-84

GUNKEL, David J. Beyond mediation: thinking the computer otherwise. Interactions: Studies in Communication and Culture Volume 1 Number 1
2009 (sobre o termo Computer-Mediated Communication)

HIMANEN, Pekka. A Ética Hacker
KERCKHOVE, Derrick de. Ética da transparência na era do Big Data. In: Maria Immacolata Vassallo de Lopes, Margarida Maria Krohling Kunsch(organizadoras). Comunicação, Cultura e Mídias Sociais. São Paulo: ECA/USP, 2016
KELLNER, Douglas. A Cultura da Mídia. São Paulo : Edusc, 2001 (Como mapear o presente a partir do futuro: de Baudrillard ao Cyberpunk)
LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: editora 34, 1999. (Cap I : pp 21-30)

MONTEIRO, Silvana Drumond. O Ciberespaço: o termo, a definição e o conceito. DataGramaZero – Revista de Ciência da Informação – v.8 n.3 Jun/07

LEMOS, André. Ciber-cultura-remix. Seminário Sentidos e Processos. São Paulo: Itau Cultural, 2005
___________. Cultura como território recombinante. Evento “Territórios Recombinantes”, realizado no Instituto Goethe (ICBA), em Salvador, em agosto de 2006.

___________. A crítica da crítica essencialista da cibercultura. V. 9 – Nº 1 jan./jun. 2015 São Paulo – Brasil André Lemos p. 29-51

LEVY, Steven. Os Heróis da Revolução. São Paulo: Évoara, 2012 (Linha do tempo da InternetCap. 2 – Ética Hacker / Cap. 12 – Ada para sempre / Pósfácio )

SALGADO, Thiago. (Des)subjetivação em dispositivos midiáticos online: o (des)controle dos algoritmos e as subjetividades numéricas. Trabalho apresentado no GT Redes Sociais e Tecnologias, do III Simpósio ArTecnologia, 2016


AMARAL, Sérgio Ferreira do, PRETTO, Nelson de Lucca. Ética, Hacker e Educação. 2.ed. Campinas/SP: FE/Unicamp, 2012

Secret Geek A-Team Hacks Back, Defends Worldwide Web – Joshua Davis – Wired, 24/11/2008

AMARAL, Adriana. Visões obscuras do underground: Hackers e Rivetheads– O cyberpunk  como subcultura híbrida. www.bocc.ubi.pt

__________________. Visões Perigosas:Para uma genealogia do cyberpunk. E-compós Agosto de 2006 -2 /20

BALDI, Vania. Dataficação – contra um saber sem conhecimento

BARBROOK, Richard, CAMERON, Andy. The Internet Revolution. Network Notebooks Series – 10 ocotober 2015

BRAND, Stewart. From Counterculture to cyberculture. Chicago: University of Chicago Press, 2006.

ESCOBAR, Arturo. Welcome to Cyberia. Current Anthropology, vol. 35, n.3, june 1994

HYMANEN, Pekka. La ética del hacker y el espíritu de la era de la información

LEVY, Steven. Os Heróis da Revolução. São Paulo : Évora, 2012

RÜDIGER, Francisco. Cultura e Cibercultura: princípios para uma reflexão crítica. LOGOS 34 O Estatuto da Cibercultura no Brasil Vol.34, N.1, 1o semestre 2011

SANTAELLA, L. Da cultura das mídias à cibercultura. Revista Famecos. Porto Alegre, no. 22, dezembro 2003.
VAZ, Paulo. Cronologia da Internet. Lugar Comum, n.13-14, pp. 81-99
WARK, McKenzie. A Hacker Manifesto. Harvard University Press
Cambridge, Massachusetts, and London, England, 2004

Defining Cyberculture (v. 2)-  Jakub Macek(Translated by Monika Metyková and Jakub Macek)

A sociology of hackers -Tim Jordan and Paul Taylor

The Human-Computer Interface

DEEP WEB

(Somos uma equipe de entusiastas responsáveis pordesvendar mistérios da parteoculta da internet. Mergulhamos fundo para trazer o melhor e mais seguro conteúdo para você)

The Internet Biographies – Hillary W. Poole, Laura Lambert, Chris Woodford, Christos J.P. Moschovitis

Dicionário Colaborativo das gírias da cultura hacker

The Chaos Computer Club e. V. (CCC) is Europe’s largest association of hackers. For more than thirty years we are providing information about technical and societal issues, such as surveillance, privacy, freedom of information, hacktivism, data security and many other interesting things around technology and hacking issues


 

Bruce Sterling. Cyberpunk in the Nineties
Dead Media Project

Information Datapage – the cyberpunk project

Cyberpunk Project

The Human-Computer Interface

DEEP WEB

(Somos umaequipe de entusiastas responsáveis pordesvendar mistérios da parteoculta da internet. Mergulhamos fundo para trazer o melhor e maisseguro conteúdo para você)

The Internet Biographies – Hillary W. Poole, Laura Lambert, Chris Woodford, Christos J.P. Moschovitis

Manifesto das Humanidades Digitais26 de março de 2011/Um breve panorama Maria Clara Paixão de Sousa, setembro de 2011

da colaboração. Anderson Fernandes de Alencar/Murilo Bansi Machado/Rafael Evangelista/Sergio Amadeu da Silveira/Vicente Macedo de Aguiar (Org)
“Estes mercados são conversações. Seus membros se comunicam em uma linguagem que é natural, aberta, honesta, direta, engraçada e muitas vezes chocante. Quer seja explicando ou reclamando, brincando ou séria, a voz humana é genuína. Ela não pode ser falsificada.”
Culture Digitally (algoritmos – textos – podcasts) – Gillespie/Striphas

Tudo vigiado por máquinas de adorável graça – documentário BBC

É UMA DENSA E PROFUNDA VIAGEM AUDIOVISUAL A TEORIAS E HISTÓRIAS QUE BUSCAM ENTENDER/EXPLICAR/CONTAR A CADA VEZ MAIS COMPLEXA RELAÇÃO HOMEM-MÁQUINA, A VIGILÂNCIA ONIPRESENTE DOS COMPUTADORES E O EXCESSO DE INFORMAÇÃO A QUE ESTAMOS LIDANDO DIARIAMENTE.

Weekend Poem: All Watched Over by Machines of Loving Grace

(textos e podscasts)Two Bits – The Cultural Significance of Free Software – Christopher M. Kelty

xkcd – A webcomic of romance, sarcasm, math, and language

Wirearchy

Electronic Disturbance Theater

O hackeamento como prática artística (Daniel Hora)

Este artigo é resultado de uma pesquisa teórica sobre a convergência das táticas e ideologias da cultura hacker, da produção artística e do pensamento estético contemporâneos. Descreveremos aqui uma das alternativas de reflexão sobre o conceito de arte-hackeamento, aquela que se fundamenta em iniciativas de apropriação, interferência, desvio, reprogramação e desenvolvimento colaborativo artístico e tecnológico.

Mozilla Web Literacy Map competency grid


WELL (Whole Earth ‘Letronic Link)
WEBOPEDIA(Webopedia is an online tech dictionary for IT professionals and educators, providing definitions to words, phrases and abbreviations related to computing and information technology. Our goal is to provide easy-to-understand definitions, avoiding the use of heavy jargon when possible so that the site is accessible to users with a wide range of computer knowledge)
The Chaos Computer Club e. V. (CCC) is Europe’s largest association of hackers. For more than thirty years we are providing information about technical and societal issues, such as surveillance, privacy, freedom of information, hacktivism, data security and many other interesting things around technology and hacking issues
Steward Brand – Spacewar ROLLING STONE · 7 DECEMBER 1972

Burning Chrome – William Gibson – July 17, 2000 (autor de Neuromancer)

SF Forward | Sci-fi Connections

(UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ – CALIFÓRNIA)
DIY (do it yourself) – DIWO (Do it with others): Pearltrees
O herói Hacker – Luli Radfahrer. Folha de S.Paulo, 09/06/2014
All watched by Machines of Loving Grace é uma série de documentários do cineasta Adam Curtis para a BBC. A série argumenta que os computadores não conseguiram libertar a humanidade e, tem distorcido e simplificado a visão do mundo que nos rodeia. O título é retirado do poema de Richard Brautigan (1967) . O primeiro dos três episódios foi ao ar em 23 de maio de 2011 na BBC2 .

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *